terça-feira, 13 de setembro de 2011

Futebol Sergipano: Morte anunciada.



Uma reunião realizada na noite de ontem, decretou a “morte” do futebol sergipano. Esse mesmo futebol que há mais de quinze anos vem “respirando” através de aparelhos. Essa era uma morte anunciada, pois, desde quando diretores e proprietários de entidades que têm direito a voto na Federação Sergipana concordaram com a vergonha de prorrogação de mandato do atual presidente, nada ou quase nada nos serviria de alento.

Mas, o que nos constrange mesmo enquanto cronistas desportivos é a falta de vergonha na cara de alguns profissionais da imprensa esportiva do nosso Estado que, em troca de alguns centavos de Real ou de autorização para almoçar/jantar num determinado restaurante ou ainda, por uma ordem de abastecimento de combustível, vendem a sua dignidade e afirmam que esse modelo de administração que aí está é o melhor para o nosso combalido futebol.

Entretanto, não podemos nos esquecer de que, não basta apenas ao Sergipe, Itabaiana e América - as únicas equipes que não votaram pela reeleição – usarem de retórica para protestar, é preciso mais, muito mais. O torcedor sergipano e os profissionais de imprensa que não aceitam aliciamento esperam que os dirigentes desses clubes “anarquistas” lancem mão de todo recurso possível e imaginário para tentar barrar este estorvo ocorrido na noite de ontem. E olhe que, dos que disseram sim, existem diretores de equipes que cantarolavam em verso e prosa a necessidade de moralização e modernização do futebol sergipano. E agora presidente “Mauricinho”, a perpetuação no poder é democrático ou imoral?

Enquanto “eles” comemoram a ruína do futebol sergipano em detrimento da soberba pessoal, nós ficamos aqui, uns escrevendo, outros falando; existem também aqueles que podem fazer algo, mas ficam inertes, perplexos, estáticos, sem mover uma palha para mudar o que aí está proposto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A sua opinião é livre.