sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Horácio , o maior artilheiro do Itabaiana de todos os tempos.



Ontem, em entrevista a este cronista no programa Show do Esporte da www.radioeducadoradefreipaulo.com.br , o atacante Horácio, maior artilheiro da história do Itabaiana e um dos maiores do Brasil, nos presenteou com histórias impagáveis e inesquecíveis. Além de relatar como se deu a sua vinda para o Tricolor da Serra em meados de 1968, o "Tanque da Serra" falou também e, principalmente, do 1º título estadual  de profissionais conquistado pelo Itabaiana em 1969, no antigo estádio Etelvino Mendonça - doado posteriormente com o consentimento da então diretoria da equipe, ao Governo do Estado, como forma de fazer média, puxasaquismo declarado - , palco onde vários ídolos e verdadeiros artistas da bola deram espetáculo de futebol.


Indagado sobre qual o melhor jogador do Itabaiana da sua época, Horácio disse: "Técnicamente, Zequinha; para fazer gol, Horácio. Eu nunca soube jogar futebol, o meu negócio era botar a bola pra dentro do gol e, modestia à parte, eu sabia como fazer isso".

Para se ter uma ideia, na decisão do campeonato de 1969, o atacante tricolor, jogou apenas dezenove minutos; marcou um gol aos nove e o outro aos onze minutos do primeiro tempo. Oito minutos após, teve que sair por contusão. Estes dois gols em menos de três minutos, garantiram o título de camapeão sergipano naquele ano.

Outra passagem interessante, narrada pelo próprio jogador é que, durante a sua curta carreira, ele, Horácio, jamais jogou os noventa minutos de uma partida, sempre atormentado por fortes dores provenientes de uma contusão no joelho. Questionei por que ele não deu uma parada para tratar a contusão, ele disparou: "Não Beto, eu queria jogar de qualquer forma; eu sabia que em apenas quarenta e cinco minutos poderia resolver as partidas para o Itabaiana".



Em 1971, no "Nordestão",  auge da forma, mas ainda convivendo com as tais fortes dores no joelho, Horácio foi o 3º maior artilheiro do Brasil, ficando atrás apenas de Pelé (Santos) e Flávio (Internacional).Neste ano, o Tricolor da Serra conquistou o inédito e único título para o estado de Sergipe, de campeão do Nordeste. Disputou a Copa Norte com o Clube do Remo/PA. Empatou em 0x0 no "Batistão" em Aracaju e, foi "operado" em Belém, por um arbitragem tendenciosa e desonesta.


Na sequencia, em 1972, fora emprestado à A.D. Confiança para a disputa do campeonato brasileiro daquele ano. No grupo tinham as equipes do São Domingos/AL, Bahia de Feira de Santana/BA, Itabaiana e o próprio Confiança. Horácio marcou gols contra o São Domingos e o Bahia de Feira, na hora do confronto com o Itabaiana, o jogador pediu para não jogar, pois não conseguiria marcar contra seu time do coração.Diante dessa situação, os dirigentes do Confiança, acharam por bem devolvê-lo ao Itabaiana.

Ainda em 72, Horácio foi submetido a uma intervenção cirúrgica para a correção de um problema de menisco. Na volta aos gramados, não conseguiu mais ser o mesmo jogador. Já não tinha a mesma velocidade, decorrida por uma atrofia. Vale ressaltar que naquele tempo a medicina esportiva era precária, não garatia ao atleta uma recuperação plena.

Em 1973, o Itabaiana conseguiria seu 2º titulo estadual. Neste ano, Horácio foi pouco utilizado pelo então técnico Juan Celli. O jogador revelou que, por causa de uma divergência de opinião com o presidente da época, Sr. Azer dos Santos (in memoriam), não teve espaço para participar como gostaria do certame daquele ano.

Nos anos seguintes, 74 e 75, Horácio já ensaiava um encerramento da carreira. Fato que se consumou em 1976, aos 30 anos de idade.

Até hoje, com a escassez de gols no Itabaiana, Horácio tem o seu nome sempre lembrado pela torcida: "Ah se a gente tivesse um Horácio aí na frente".
É por essas e outras que Horácio foi, é e sempre será o maior artilheiro da história da Associação Olímpica de Itabaiana.

Agradeço ao professor e escritor Manoel Aelson Góis, ao ilustre torcedor e colaborador Miguel e ao amigo/colega de Rádio Marcelino Cunha, pelas presenças.


Parabéns "Tanque da Serra".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A sua opinião é livre.